Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade, recomendar conteúdo de seu interesse e otimizar o conteúdo do site. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Confira nossas Políticas de Privacidade e Termos de Uso, clique aqui.

O jornal que todo mundo lê
Publicidade
Saúde
18/02/2021 - 11h45
Doses de vacina contra Covid-19 são estragadas após pane em refrigerador de Igarapé
Vacinação foi paralisada e perda está sob investigação
Vacina Coronavac - Butantan.
Foto: Fábio Marchetto.

Por SEGOV


A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) concluiu, nessa terça-feira (16/2), a análise da documentação enviada pelo município de Igarapé, com relação à possível perda de doses da vacina contra covid-19.

De acordo com o relatório, no dia 15 (segunda-feira) foi identificada uma falha na câmara fria - equipamento responsável por acondicionar, em temperaturas adequadas, as 229 doses da vacina contra covid-19 disponibilizadas ao município – há a suspeita de que o problema ocorreu durante o final de semana. Diante do levantamento feito, as equipes da SES-MG concluíram que as doses não poderão ser utilizadas, devido à exposição a temperaturas acima do recomendado.

Segundo a coordenadora estadual de Imunização, Josianne Dias Gusmão, em todos os processos de vacinação, sempre que há suspeita de desvio de qualidade de doses identificada pelo município, o mesmo informa à Unidade Regional de Saúde (URS) pertinente que, por sua vez, comunica ao Nível Central da SES-MG. Josianne também explica que, tanto a CoronaVac, do laboratório Sinovac/Butantan, quanto a vacina da AstraZeneca/ Fiocruz devem ser armazenadas entre 2°C e 8°C.

“Se ultrapassar essa temperatura ou se ela ficar abaixo de 2°C, a vacina precisa ser avaliada. Nesse caso, o município preenche um formulário padronizado pelo Ministério da Saúde (MS) com informações, por exemplo, sobre o tempo que essa vacina ficou fora do acondicionamento adequado, se houve falha de energia ou se foi falha do equipamento", observa.

Ainda segundo a coordenadora estadual de Imunização da SES-MG, "os dados são encaminhados para o nível central e, por meio de critérios já estabelecidos pelo próprio MS, é feita uma avaliação sobre a possibilidade de utilizar as doses”.

No caso em questão, o relatório aponta que os imunizantes foram expostos a temperaturas acima do recomendado, por isso a decisão das equipes técnicas da SES-MG por não utilizar as vacinas.


Investigação

Paralelamente às análises realizadas pela SES-MG, a Polícia Civil de Minas Gerais investiga o caso. O inquérito foi instaurado e, até amanhã (19), cinco servidores da unidade de Saúde serão ouvidos. A previsão é a de que o laudo fique pronto em até 30 dias, conforme informou a Polícia Civil sobre o fluxo das investigações.


Reposição de doses

Para repor as doses e garantir que o público prioritário em Igarapé seja vacinado conforme previsto, a SES-MG enviará o quantitativo perdido ao município ainda nesta semana.

“A reserva técnica de 5% do quantitativo total enviado pelo Ministério da Saúde é feita justamente para casos de perda. De forma planejada, foi mantido na Central Estadual da Rede de Frio, em Belo Horizonte, um contingente técnico de reserva, que atualmente conta com 3.120 doses da vacina”, afirma a coordenadora estadual de Imunização. As doses serão entregues à Unidade Regional de Saúde e disponibilizadas ao município.



Confira Também


Publicidade

no Facebook